Corações solidários (27)

Estudantes do curso de Engenharia Naval da UFSC de Joinville escolheram pacientes do Hospital Infantil para humanizar um projeto acadêmico. O barco, chamado Holandês Voador, foi criado por uma equipe de 19 estudantes que inscreveram o projeto em uma competição universitária inédita no Brasil e com abrangência internacional. Os pacientes foram convidados a desenhar e pintar a embarcação, utilizando toda a criatividade, sendo monitorados pela Terapia Ocupacional e Pedagogia do hospital. “Nosso barco ficou muito lindo e com certeza será o mais bonito e com um significado ainda maior de toda a competição.”, opinam os estudantes.

Anúncios

A contadora de histórias

Ela tem o dom de contar histórias. Cada cena que descreve é detalhada em palavras, expressões e gestos. A conversa flui como se fosse uma narrativa. A narradora é também a protagonista e, de certa forma, a escritora dessa história. Acostumada a contar sobre personagens bíblicos e infantis, dessa vez, Patrícia Rathunde Santos, tem a missão de falar sobre si. E como toda boa história, essa mistura sonhos, desafios e muita solidariedade.

Desde os nove anos, Patrícia é apaixonada por contar e encenar histórias. A influência veio da mãe que fazia teatro na igreja. Cercada pela arte cênica e pelo exemplo de ajudar ao próximo, ela teve a ideia de fazer um projeto de Contação de Histórias. Desde 2018, Patrícia e duas amigas transformam as tardes dos pacientes do Hospital Infantil com muita fantasia e imaginação.

A inspiração para contar diferentes histórias vem de um sonho de criança. Desde pequena, sonhava em conhecer vários lugares do mundo, mas as condições financeiras da família não permitiam. Já adulta, começou a trabalhar como comissária de bordo e conheceu diversos países. “Hoje, meu sonho é continuar viajando para trazer as viagens em forma de histórias”, revela a voluntária.

Assim como nos contos que apresenta aos pacientes, Patrícia também passou por dificuldades antes de chegar ao final feliz. A contadora passou por dois momentos muitos difíceis em sua vida em que precisou passar por um longo período de tratamento e por internação hospitalar. Essa experiência contribuiu ainda mais para o olhar da voluntária em relação aos pacientes. “A gente tenta trazer o máximo de alegria para que as crianças esqueçam, por um momento, que estão num hospital.”, declara.

Corações solidários (26)

Quando alguém faz aniversário, geralmente, é presenteado por amigos e familiares. Perfumes, roupas, sapatos, artigos de decoração são algumas das opções de presentes. Mas Ivete Linhares Iunckes resolveu fazer uma comemoração diferente em sua festa de 50 anos. Ao invés de presentes para ela, pediu para que os convidados levassem fraldas descartáveis, lenços umedecidos, entre outros produtos. No total, foram arrecadadas 22 cestas básicas doadas ao Hospital Infantil. “Não posso mudar o mundo com isso, mas posso fazer a diferença.”, observa a aniversariante.

Corações solidários (25)

O Hospital Infantil foi contemplado com uma reprocessadora para limpeza e desinfecção de endoscópios que será utilizada pelo Centro Cirúrgico da instituição. A doação foi realizada pela entidade religiosa Arautos do Evangelho que esteve no hospital para fazer a entrega oficial e conhecer um pouco do trabalho desenvolvido pela instituição.

De acordo com a coordenadora de Ações Sociais, Quésia de Araújo Grellmann, a aquisição de equipamentos médicos hospitalares modernos e a manutenção dos setores é imprescindível para a qualidade dos atendimentos e procedimentos realizados. “A limpeza, que antes era feita de forma manual, agora será automatizada. Mesmo com todo o cuidado que já havia na higienização dos materiais, esse equipamento vai contribuir ainda mais no processo de desinfecção.”, explica Quésia.

Amizade que faz o bem

Quando os olhos da golden retriever Toscana cruzam com os olhos do educador canino Edmundo Sales, não é preciso dizer nenhuma palavra: eles se entendem pelo olhar. Juntos há 7 anos, eles não são mais cão e adestrador, mas dois grandes amigos. Durante as visitas ao Hospital Infantil, a cachorra se torna o centro das atenções entre pacientes, acompanhantes e colaboradores. Mas hoje, o protagonista é seu parceiro Edy, que tem muita história para contar.

Desde criança, Edy gostava de animais, mas sua grande paixão sempre foram os cães. Formado em Publicidade e Propaganda, trabalhou na área de criação e vendas. Em 2009, após sofrer um acidente envolvendo um cachorro, descobriu que seu destino era juntar sua paixão com a profissão. Começou a fazer vários treinamentos para aprender as técnicas de adestramento e se especializou em comportamento canino. “Eu vejo os cães como eternos professores, eles nos trazem muito aprendizado.”, observa Edy.

Em 2013, junto com a amiga Joana Faria de Camargo, desenvolveu o projeto de Cinoterapia, com o objetivo de realizar atividades terapêuticas com crianças por meio dos cães. Neste mesmo ano, iniciou o voluntariado com a Tosca no Hospital Infantil. “Poder realizar o voluntariado dentro da minha profissão é uma satisfação enorme. Eu faço isso de coração aberto porque preenche minha alma”, declara.

Edy e Tosca já fizeram parte de muitas histórias no Hospital Infantil. “A gente se emociona em ver uma criança que não caminhava e consegue iniciar a fisioterapia ao lado da Tosca, por exemplo”, relata o adestrador. Mais que afinidade, a dupla criou um vínculo de amor pelo o que fazem juntos. “Eu fico feliz em vê-la, ela fica feliz em me ver e toda vez que eu vou busca-la para ir ao hospital, parece que a felicidade dela é imensa porque ela sabe exatamente o que vai fazer”, resume

Corações solidários (24)

A estação mais fria do ano está chegando, mas ações solidárias como as campanhas do agasalho são capazes de aquecer corações dos que doam e dos que recebem. O Grupo Tigre doou mais de 1.400 peças de roupas e 80 pares de calçados ao Hospital Infantil, por meio de uma campanha realizada na empresa. Foram dois meses coletando roupas, calçados e cobertores junto aos colaboradores. Em Joinville, mais de 200kg de roupas foram doadas.

Corações solidários (23)

O Hospital Infantil recebeu a doação de garrafas pet decoradas para serem utilizadas por crianças e adolescentes que fazem teste diário de glicemia e aplicação de insulina. A ação faz parte do projeto “Descarte Humanizado” que tem o objetivo de incentivar o descarte correto de agulhas utilizadas por pacientes diabéticos. Os materiais foram produzidos por alunos do curso de Técnico em Enfermagem do Instituto Pró-Rim.

De acordo com a professora Sandra Paladino, por não saber onde descartar as agulhas, a maioria dos pacientes faz o descarte no lixo comum, podendo causar acidentes. “A ideia é que depois de encher as garrafas, o paciente encaminhe para uma unidade de saúde ou acione o serviço de limpeza urbana para recolher”, esclarece Sandra.